Mundo Verde

Blog da turma 9MC2

Categoria: 1881 – 1901

A Alemanha e o uso da energia nuclear: o romance “GRAFENRHEINFELD”

        GRAFENRHEINFELD ALEMANHA – Em um dos romances juvenis mais populares do país, o reator nuclear nos arredores dessa cidade da Baviera derrete, liberando uma nuvem radioativa que ameaça a Alemanha e afasta uma garota de 14 anos de sua família e de seu futuro.

fonte: https://goo.gl/qPnQy9

Em junho, a usina nuclear de Grafenrheinfeld, responsável por garantir a produção de energia necessária para abastecer a indústria da Baviera desde 1981, chegou a um fim muito menos dramático, mas igualmente simbólico. A usina foi o primeiro reator ativo a ser desligado desde 2011, quando a chanceler Angela Merkel prometeu desligar as usinas nucleares após o desastre da usina nuclear de Fukushima Daiichi, no Japão.
O desligamento de Grafenrheinfeld foi um passo importante para a Alemanha em sua meta para adotar um sistema livre de energia nuclear até 2022, mas que só foi possível por conta da determinação nacional em cortar 40% das emissões de gases do efeito estufa em relação aos níveis de 1990 até 2020. A usina pôde ser fechada porque foi substituída por fontes de energia alternativa, como a solar e a eólica.

Pontos positivos:
Países que os recursos hídricos são escassos (inviabilidade de usinas hidrelétricas), as usinas nucleares podem ser uma opção alternativa para geração de energia elétrica.

– As usinas nucleares produzem pouca poluição do ar no processo de geração de energia, ao contrario do que ocorre em termelétricas.

– O impacto ambiental no processo de construção e instalação da usina nuclear é bem menor do que ocorre no caso de uma usina hidrelétrica.

– Existe grande disponibilidade de urânio na natureza. Sendo que o urânio é muito bem aproveitado no processo de geração de energia.

– Para funcionar plenamente, uma usina nuclear não depende de fatores climáticos como, por exemplo, chuvas (no caso de hidrelétricas), ventos (no caso da energia eólica) e luz solar (caso da energia solar).

Já os pontos negativos são:

– Os acidentes em usinas nucleares são de altíssimo perigo para as pessoas que residem próximas a elas. Nestes acidentes, é elevado o risco de contaminação das pessoas, solo, água e animais. Uma vez contaminadas por radioatividade, estas pessoas podem morrer ou desenvolver câncer de diversos tipos. A contaminação ao meio ambiente também é problemático, pois pode levar centenas de anos para que ocorra a total descontaminação do local do acidente e imediações afetadas.

– Geração de grande quantidade de lixo nuclear, que demanda altos investimentos e processos de segurança para sua armazenagem. Vale lembrar que o lixo atômico não pode ser descartado na natureza, mas sim tratado e armazenado com rígidos padrões de segurança.

– O custo de implantação de uma usina nuclear é muito elevado, pois a tecnologia empregada e a mão-de-obra especializada encarecem muito o processo.

– Outra desvantagem é de ordem psicológica. Muitas pessoas, que vivem em áreas próximas à Usina Nucleares, convivem diariamente com o medo de um acidente nuclear.

– Nas usinas próximas ao oceano, a água utilizada no resfriamento dos reatores é lançada no mar. Como estas águas são aquecidas, este fator pode gerar problemas nos ecossistemas litorâneos da região.

encurtador.com.br/kmtH6

TABELA PERIÓDICA

Em 1869, Dimitri Mendeleev  teve a ideia de listar os elementos por ordem crescente de massa atômica.

encurtador.com.br/zENS2

Ele insistiu que elementos de propriedade similares fossem listados juntos e por causa disso alguns “buracos” foram criados na tabela. Depois foram preenchidos com novos números de elementos

encurtador.com.br/efsMV

Em 1913, o físico inglês Henry Mosely fez uma modificação importante a tabela periódica.

encurtador.com.br/ftvIS

Ele era um membro de pesquisas de Ernest Rutherford quando estava estudando ele sugeriu que o número atômico era mais importante para determinar o comportamento químico do elemento do que a massa atômica como se acreditava antes.

encurtador.com.br/tvyHR

Então ele organizou os elementos em ordem crescentes de números atômicos.

Modelos Atômicos. A História da energia nuclear

A história da energia nuclear: ​

O estudo se inicia quando os filósofos começaram a definir os átomos. Até desenvolverem a primeira bomba nuclear. Nesse processo diferentes  cientistas começaram a descobrir os elétrons, os nêutrons e os prótons.​

Modelos Atômicos

Dalton: Impenetrável, sem carga. O que diferenciava um átomo do outro era o peso relativo, ou seja, possuem massas diferentes. Como referencia ela usou a bola de biliar.​

encurtador.com.br/cjBT1

encurtador.com.br/avU18

Thoson: Descobriu que os raios catódicos eram feixes de partículas carregadas negativamente. Assim ficou conhecido com o pai dos elétrons. Ele usou como referencia o pudim de passa, onde as uvas seriam as cargas negativas. Mas também pode ser comparado a um chocotone, agindo do mesmo modo.​

encurtador.com.br/noyEU

Rutherford: Descobriu que os átomos possuíam espaços, assim também havendo cargas positivas, localizadas no centro do átomo (núcleo). Com isso ia contra as idéias que um átomo era maciço. Como referencia usou o espaço planetário. Liberação de luz.​

encurtador.com.br/qzRV2

Bohr: O mundo microscópio agia de maneira diferente,assim deduzindo que as cargas que ficavam mais próximas ao núcleo tinham mais energia daquelas que ficavam afastadas. Para explicar ele criou uma equação.​

encurtador.com.br/rS169

EVOLUÇÃO DOS MODELOS ATÔMICOS:

encurtador.com.br/eOPS5

Expressionismo

         Resultado de imagem para Ernst Ludwig Kirchner Selbstbildnis mit Modell

Edward Munch, O Grito         Ernst Ludwig Kirchner, Selbstbildnis mit Modell 

O Expressionismo é uma vanguarda do fim do século XIX e início do século XX que via mais a interiorização da criação artística do que a exteriorização. A vanguarda Expressionista não se preocupava com a representação da realidade, e sim com sua apreensão pelo sujeito. O Expressionismo mostra uma visão não romântica do mundo e prefere mostrar o lado não heroico do ser humano e da sociedade. As obras Expressionistas não se interessavam pela beleza tradicional e mostravam a parte pessimista da vida, marcadas pela angústia e dor. Muitas vezes, denunciavam problemas sociais. Este movimento, surgiu no fim do século XIX na Alemanha, e alcançou seu auge expandindo-se pela literatura, música, teatro e cinema. Teve maior expressão pelos povos germânicos, eslavos e nórdicos. Após o término da Primeira Guerra Mundial, o Expressionismo influenciou outras partes do mundo, como França e a Itália chegando até na América Latina. O movimento Expressionista surgiu depois do desdobramento do pós-Impressionismo com a influência de muitos artistas como o holandês Vincent Van Gogh e o norueguês Edvard Munch, criador da obra “O Grito”, considerada o símbolo da manifestação deste movimento. A criação Expressionista traz novas características com distanciamento da pintura Acadêmica.

Resultado de imagem para Mask Still Life III Resultado de imagem para cabeça alemã com bigode

Emil Nolde, Mask Still Life III                    Paul Klee, Cabeça alemã com bigode

Existiam dois grupos de Expressionistas: “A ponte” (Die brücke ), em Dresden (1905-1913), e o “Cavaleiro Azul” (Der Blaue Reiter), em Munique (1911-1914). Os primeiros artistas eram mais agressivos e politizados e seus principais representantes eram Ernst Ludwig Kirchner e Emil Nolde. Outros artistas importantes foram Wassily Kandinsky, Paul Klee e August Macke.

Fonte: Livro de artes do Porto Seguro

Descoberta da radioatividade

A descoberta da radioatividade

Os fenômenos radioativos começaram a ser descobertos em 1896 pelo cientista francês Antoine Henri Becquerel (1852-1908). No entanto, as suas descobertas só foram possíveis graças aos estudos anteriores sobre os raios X.

Wilhelm Konrad Röntgen (1845-1923)

Fonte: https://www.google.com.br

Em 1895, o físico alemão Wilhelm Konrad Röntgen (1845-1923) descobriu de maneira acidental “um novo tipo de raio”, que possibilitava ‘ver’ dentro do corpo humano. Como esse cientista não sabia qual era exatamente a natureza desses raios, ele chamou-os de raios X.

Imagem raio X

Fonte: https://www.google.com.br

Ele fez isso deixando ao sol amostras de um minério de urânio, o sulfato duplo de potássio e a uranila di-hidratada descoberta de Röntgen levou Becquerel, no início do ano de 1896, a testar a hipótese de que as substâncias fosforescentes (substâncias que emitem luz visível depois de absorver energia de outra fonte, mas que, ao contrário das substâncias fluorescentes, continuam emitindo luz por algum tempo, mesmo depois que a fonte de energia é desligada) e fluorescentes também emitiriam raios X.

Fonte:https://www.google.com.br/

Antoine Henri Becquerel (1852-1908)

Fonte: https://www.google.com.br

Veja um trecho do relatório que Becquerel fez à Academia de Ciências da França:

“Como o sol não voltou a aparecer durante vários dias, revelei as chapas fotográficas a 1º de março, na expectativa de encontrar imagens muito deficientes. Ocorreu o oposto: as silhuetas apareceram com grande nitidez. Pensei imediatamente que a ação poderia ocorrer no escuro.”

Entrou então em cena o casal Pierre Curie (1859-1906) e Marie Curie (1867-1934). Juntamente a eles, Becquerel descobriu que a propriedade que ele viu era pertencente ao urânio, pois todos os minérios de urânio emitiam os raios que impressionavam o filme. Marie Curie batizou essa propriedade de o urânio emitir raios de radioatividade.

Marie Curie, Pierre Curie , em 1903.

Fonte: https://www.google.com.br

Os trabalhos do casal Curie tiveram crucial importância na mudança de rumo que tomaria a radioatividade. Em abril de 1898, Marie Curie constatou que havia algum componente mais ativo que o urânio em seus minerais naturais.

Esse casal trabalhou durante três anos exaustivamente, usaram 1400 litros de um minério de urânio chamado pechblenda ou uranita (UO2) e, em 1902, isolaram átomos de dois elementos químicos radioativos que não eram conhecidos na época. O primeiro, eles chamaram de rádio, pois ele era 2 milhões de vezes mais radioativo que o urânio; o segundo, eles chamaram de polônio, em homenagem à Polônia, terra natal de Madame Curie.

Fonte: https://www.google.com.br

Em 1903, Marie Curie, Pierre Curie e Antoine-Henri Becquerel dividiram o Prêmio Nobel de Física pelos seus trabalhos com radioatividade.

Anos mais tarde, o físico neozelandês Ernest Rutherford (1871-1937) realizou um experimento mostrado na figura abaixo, que identificou a natureza da radioatividade, mostrando que ela se originava do núcleo.

Ernest Rutherford e seu experimento

1 – Crédito Editorial da Imagem: IgorGolovniov / Shutterstock.com;

2 – SEGRÈ, Emilio. Dos raios X aos quarks. Físicos modernos e suas descobertas. Brasília: Editora da UnB, 1987, p. 29.

Inglaterra: pioneira da industrialização mundial

 fonte: https://goo.gl/fM4sf6

Revolução industrial

   A revolução industrial teve início devido a uma consequência de uma série de fatores políticos, sociais  e econômicos que ocorreram na Inglaterra na metade do século XVIII.

  A Inglaterra era um país unificado, com uma boa situação políticas livres de tarifas alfandegárias com uma infraestrutura bancária estável.

  No século XVIII acumulou um grande capital e tornou-se uma potência mundial.

 ​fonte: https://goo.gl/DGdx4D

Há energia nuclear

Londres – A maior usina de reprocessamento nuclear da Grã-Bretanha detectou um aumento nos níveis de radioatividade, mas disse que não há  nada com o que se preocupar.

 By: Luanna Oliveira

 

Utilização da tecnologia a favor do meio ambiente

         O governo Britânico procura inovar com mudanças no setor de eletricidade da Inglaterra. Uma mudança na lei de energia propõe o crescimento da utilização do gás natural, novas usinas nucleares e tecnologias para as energias eólica e solar.

http://aloriodejaneiro.com/wp-content/uploads/2015/11/London-array.jpg

Texto de autoria: Alycia Raegy, Daianny Sales, Luanna Oliveira, Pamela Portela.

O inicio da industrialização nos Estados Unidos

FONTE: goo.gl/v4Sh1R
Durante este período, o crescimento industrial dos Estados Unidos renderam-lhes grandes efeitos. Cidades tornaram-se os principais centros econômicos do país, e a indústria de manufaturação e finanças superaram a agricultura e a pecuária como as principais fontes de renda dos Estados Unidos. O processo de industrialização elevou drasticamente a migração rural. No final da Guerra Civil Americana, cerca de um quarto da população americana vivia em cidades. Em 1918, metade da população do país vivia em áreas urbanas. Além disso, este período também é marcado pela grande e sem precedentes imigração de europeus ao país.
Adaptado do site: https://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_dos_Estados_Unidos_(1865-1918)

FONTE: goo.gl/y74iQv

Durante o período da colônia inglesa, os Estados Unidos da América recebeu um grande fluxo de imigrantes britânicos. Organizou-se no Norte, uma colonização de povoamento; no Sul a colonização de exploração. Para melhor cumprir sua finalidade dentro do capitalismo, isto é, gerar lucro, a indústria procurou aperfeiçoar as formas de trabalho e de produção.
O norte-americano Frederick Taylor inovou com o método conhecido como taylorismo ou organização científica do trabalho, que usou pela primeira vez os conceitos de seleção e treinamento de empregados e procurou obter deles a maior produtividade possível, nos primeiros anos do século XX. Segundo Taylor, o empregado deveria executar uma tarefa, com o menor gasto de tempo e energia possível, seguindo o que foi determinado pelos seus superiores. Com isso, além de ficar alienado do processo de produção como um todo, ele trabalharia mais e o lucro das empresas aumentariam. Na década seguinte, Henry Ford, o magnata da indústria de automóvel, aperfeiçoou as teorias de Taylor, introduzindo o método conhecido como fordismo, caracterizado pela especialização ao trabalhador, pela linha de montagem e pela produção em série.

O fordismo aproveitou, ao máximo, a força de trabalho e só enfraqueceu, a partir do final do século XX, com a introdução de novos métodos de trabalho (pós-fordismo).Durante a primeira metade do século XX, a produção em série e o surgimento da sociedade de consumo, incentivada pela propaganda, permitiram a formação e o desenvolvimento de grandes empresas que não só se uniram para enfrentar a concorrência no mercado, mas também expandiram sua atuação além de suas fronteiras originais.
Adaptado do site: http://choquegeografico.blogspot.com.br/2013/08/industrializacao-dos-estados-unidos.html

FONTE: https://salaodocarro.com.br/curiosidades/modelo-producao-fordismo-henry-ford.html

A energia nuclear

A energia nuclear

A Bomba atômica é uma arma de energia nuclear que possui um grande poder de destruição. Foi ela bora da durante a Segunda Guerra Mundial quando houve a necessidade de desenvolver novas armas de combate. Alguns cientistas realizaram pesquisas do átomo partindo das teorias de Albert Einstein, um dos maiores físicos que esse mundo já viu.


Albert Einstein

https://goo.gl/j8Qkzm

A Alemanha não chegou a criar uma bomba atômica na segunda guerra mundial, pois não havia cientistas capazes de tal feito graças ao governo nazista de Hitler ,mas a criação da bomba foi nos estados unidos, projeto Manhattan

 

A industrialização da Alemanha

A industrialização alemã

 

Uma indústria alemã era caracterizada principalmente por industria quimica e elétrica. A industria quimica beneficiada pelo forte investimento em pesquisas e desenvolvimento, como também pela acessibilidade há materias-primas. A indústria elétrica foi de vital importância para o sucesso alemã, com uma descoberta da lâmpada elétrica. Também existe como industrias navais e de base originadas do governo prussiano.

O processo de industrialização alemão foi rápido. Em fins do século XIX, a Alemanha já havia ultrapassado o Reino Unido e a França, e junto com os Estados Unidos, liderou os avanços para a Segunda Revolução Industrial.

texto adaptado :https://goo.gl/G4TTxN

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén